29/05/2016

DIÁLOGOS #13

Chegados a Barcelona, ao retirar o necessaire do trolley:

Eu- João porque razão trouxeste dois desodorizantes?

Vou dar três hipóteses de resposta que ele me deu:

1- Porque me enganei
2- Porque um estava a acabar e assim tinha outro para substituir
3- Porque sim

(a sorte é que desta vez eu fui muito comedida na "tralha" que levei" e havia espaço para todos os caprichos do senhor)




27/05/2016

COMO AGRADECER A QUEM CUIDA DOS NOSSOS FILHOS #5

Mais dois modelos de fios para mimar as educadoras/auxiliares/professoras das nossas crianças.

O fio INNOCENCE educadores em cabedal com pérolas e missangas em zamac (material que não oxida nem perde a cor) e medalha em zamac  com base em madrepérola ou não, com berloque colorido ou não e com medalha e frase personalizadas. Ou o fio MADE FOR YOU educadores com corrente, de uma volta ou duas voltas, em zamac (material que não oxida nem perde a cor) e medalha em zamac,  com berloque colorido ou não e com medalha e frase personalizadas.

Ousam?






26/05/2016

COMO AGRADECER A QUEM CUIDA DOS NOSSOS FILHOS #4

O educador deve ser alguém que permite o desenvolvimento de relações de confiança e de prazer através da atenção, gestos, palavras e atitudes. Deve ser alguém que estabeleça limites claros e seguros que permitam à criança sentir-se protegida de decisões e escolhas para as quais ela ainda não tem suficiente maturidade, mas que ao mesmo tempo permitam o desenvolvimento da autonomia e autoconfiança sempre que possível. Deve ser alguém verbalmente estimulante, com capacidade de empatia e de expansividade, promovendo a linguagem da criança através de interações recíprocas e o seu desenvolvimento sócio emocional” in Portugal G.1998 “Crianças, Famílias e Creches, uma abordagem ecológica da adaptação do bebe a creche”,pp. 198. Porto editora.

Eles são sem sombra de duvida seres únicos que lidam diariamente com as pessoas mais especiais do mundo... as nossas crianças! Por tudo isto merecem todo o reconhecimento que lhes possamos dar e assim nasceram várias peças com esse fim.

Hoje apresento-vos os Fios EDUCADORES : fios em malha de aço (duas diferentes) de alta qualidade, que não oxidam nem deformam, com medalhas personalizadas (em zamac, alumínio ou aço) para pessoas especiais como as auxiliares, professoras ou educadoras dos nossos filhos.

Ousam?


Fio em malha de aço com bolinhas e medalha em alumínio "GOSTO MUITO DE TI" e medalha em zamac "QUERIDA EDUCADORA". O zamac  e o alumínio são metais leves que não oxidam. Existe a possibilidade de colocar um berloque colorido à escolha sem acréscimo de preço.


Fio em malha de aço com bolinhas e medalha em alumínio "GOSTO MUITO DE TI" e medalha em zamac "QUERIDA PROFESSORA". O zamac  e o alumínio são metais leves que não oxidam. Existe a possibilidade de colocar um berloque colorido à escolha sem acréscimo de preço.


Fio em malha de aço com bolinhas e medalha em alumínio "GOSTO MUITO DE TI" e medalha em zamac "QUERIDA AUXILIAR". O zamac  e o alumínio são metais leves que não oxidam. Existe a possibilidade de colocar um berloque colorido à escolha sem acréscimo de preço.


Fio em malha de aço elos achatados e medalha em aço "QUERIDA AUXILIAR". O aço é um metal leve que não oxida. Existe a possibilidade de colocar um berloque colorido à escolha sem acréscimo de preço.


Fio em malha de aço elos achatados e medalha em aço "QUERIDA PROFESSORA". O aço é um metal leve que não oxida. Existe a possibilidade de colocar um berloque colorido à escolha sem acréscimo de preço.


Fio em malha de aço elos achatados e medalha em aço "QUERIDA EDUCADORA". O aço é um metal leve que não oxida. Existe a possibilidade de colocar um berloque colorido à escolha sem acréscimo de preço.


Fio em malha de aço elos achatados e medalha em alumínio "OBRIGADO POR ME AJUDARES A CRESCER...." (frase e boneco adaptado para menino ou menina). O alumínio é um metal leve que não oxida. Existe a possibilidade de colocar um berloque colorido à escolha sem acréscimo de preço.


Fio em malha de aço elos achatados e medalha em alumínio "EDUCADORA 5 estrelas". O alumínio é um metal leve que não oxida. Existe a possibilidade de colocar um berloque colorido à escolha sem acréscimo de preço.





COMO AGRADECER A QUEM CUIDA DOS NOSSOS FILHOS #3

Mais dois modelos de Pulseiras EDUCADORES: uma pulseira com aro de alumínio rijo, mas ajustável, que não perde cor nem oxida, personalizadas com várias medalhas e que pode ser personalizada, também, com um berloque colorido à sua escolha (sem valor acrescido). E ainda um modelo com elástico ou fio de seda (resistente) com as mesmas medalhas e dois furos.
Educadoras, auxiliares ou professoras não ficam de fora no momento de agradecer o seu maravilhoso trabalho.
Ousam?



Medalha de 25mm em zamac , material que não oxida nem perde a cor, com possibilidade de alterar os bonequinhos e as frases (quer seja para menino, menina ou meninos e meninas)

25/05/2016

COMO AGRADECER A QUEM CUIDA DOS NOSSOS FILHOS #2

Hoje apresento-vos as Pulseiras EDUCADORES, pulseiras com aro de alumínio rijo, mas ajustável, que não perde cor nem oxida, personalizadas com várias medalhas. Educadoras, auxiliares ou professoras não ficam de fora no momento de agradecer o seu maravilhoso trabalho.
 
Cada peça pode ser personalizada, também, com um berloque colorido à sua escolha (sem valor acrescido).
 
Ousam?

Ref.PAWM01 medalha de 26mm com frase personalizada para menino ou menina + medalha de 16mm com estrela recortada + medalha Believe 10mm
 

Ref.PAWM02 medalha de 25mm com frase "Gosto de ti" + medalha de 13mm com frase "Querida Professora"+ medalha Believe 10mm
 

Ref.PAWM03 medalha de 25mm com frase "Gosto de ti" + medalha de 13mm com frase "Querida Auxiliar"+ medalha Believe 10mm
 

Ref.PAWM04 medalha de 25mm com frase "Gosto de ti" + medalha de 13mm com frase "Querida Educadora"+ medalha Believe 10mm
 

Ref.PAWM05 medalha de 19mm com frase "Querida Auxiliar" + medalha de 19mm com frase "Remember the moments" + medalha Believe 10mm
 

Ref.PAWM06 medalha de 19mm com frase "Querida Educadora" + medalha de 19mm com frase "Remember the moments" + medalha Believe 10mm
 

Ref.PAWM07 medalha de 19mm com frase "Querida Professora" + medalha de 19mm com frase "Remember the moments" + medalha Believe 10mm
 

Ref.PAWM08 medalha de 26mm com palavra Educadora e estrela e coração recortado + coração + medalha Believe 10mm
 

Berloques coloridos que pode adicionar na sua pulseira (sem valor acrescido)

COMO AGRADECER A QUEM CUIDA DOS NOSSOS FILHOS #1


O educador deve ser alguém que permite o desenvolvimento de relações de confiança e de prazer através da atenção, gestos, palavras e atitudes. Deve ser alguém que estabeleça limites claros e seguros que permitam à criança sentir-se protegida de decisões e escolhas para as quais ela ainda não tem suficiente maturidade, mas que ao mesmo tempo permitam o desenvolvimento da autonomia e autoconfiança sempre que possível. Deve ser alguém verbalmente estimulante, com capacidade de empatia e de expansividade, promovendo a linguagem da criança através de interacções recíprocas e o seu desenvolvimento sócio emocional” in Portugal G.1998 “Crianças, Famílias e Creches, uma abordagem ecológica da adaptação do bebe a creche”,pp. 198. Porto editora.

Eles são sem sombra de duvida seres únicos que lidam diariamente com as pessoas mais especiais do mundo... as nossas crianças! Por tudo isto merecem todo o reconhecimento que lhes possamos dar e assim nasceram várias peças com esse fim.
 
Hoje apresento-vos os Porta-chaves EDUCADORES : de corrente em zamac, material anti-alérgico com uma medalha, no mesmo material com uma frase especial: Ref.PCE02 medalha de 33mm com frase personalizada para menino ou menina,  Ref.PCE01 medalha de 25mm com frase personalizada para menino ou menina, meninos ou meninas
Ousam?
 
 

16/05/2016

FIOS #80

Mais duas opções de fios KEEP IT SIMPLE com corrente de aço e medalhas de alumínio (material leve e que não oxida, de longa duração) com 25mm de diâmetro e frase "Amigas até sermos velhinhas" e medalha de aço inox recortada (material leve e que não oxida, de longa duração) com 20mm de diâmetro e strass/brilhantes transparentes.

Ousam?






13/05/2016

O TEU DIA MÃE DE TODAS AS MÃES

Hoje eu entendo..
 
Hoje eu entendo a comoção das imagens que nos chegam pela televisão. Entendo cada lágrima que escorre pelos rostos ao ver-te passar cândida e perfeita. Entendo que por ti e pelos nossos se esqueçam os quilómetros que se fizeram sabe Deus (e tu) com quanto sacrifício. Entendo que a palavra gratidão seja infinitamente superior à de pedir, neste momento.
 
Hoje eu entendo...
 
Hoje eu entendo esta necessidade de regressar à tua casa mãe para apaziguar o coração e renovar a fé. Entendo a alegria de partilhar e comungar um caminho de fé. Entendo o que é colocar o egoísmo das nossas preces e transformá-las em algo maior e mais abrangente. Entendo o que é dizer obrigada por todas as bênçãos que me têm sido dadas... infinitamente mais belas e gratificantes do que as agruras da vida. Entendo todos os sacrifícios a que o povo se propõe fazer em teu nome.
 
Hoje eu entendo...
 
Entendo o que é chegar ao limite das forças e sentir que tu... tu, mãe de todas as mães, me pegaste ao colo e me fizeste alcançar o meu objetivo. Entendo que me ajudaste a calar o choro compulsivo que tomou conta de mim e me apaziguaste o coração. Entendo o abraço da minha outra metade, sem palavras, um abraço que fez com que tudo voltasse a ficar unido e sem fissuras. Entendo a fé a entrar-me por todos os poros e a calar o medo e a fortificar o sonho.
 
Hoje eu entendo...

Entendo mãe de todas as mães esta necessidade de te tocar vezes sem conta. Por ti, por mim , pelos meus, por todos os que me fazem uma pessoa melhor, e até por todos os outros que me colocam à prova diariamente, eu regressarei. Nos teus braços encontro paz e a eles voltarei até ao ultimo suspiro.
 

DIÁLOGOS #12

Chego à sala e assisto a este diálogo entre genro e sogro:

sogro: então dê lá o exemplo de um tubérculo.
genro: alface?

nota 1- ainda não consegui parar de rir cada vez que penso nisto

nota 2 - temo que precise de albergue depois de "alguém" ler este texto

10/05/2016

DIÁLOGOS #11

Ontem algures na calada da noite... alguém acorda sobressaltado:

Eu - "Onde é que colocaste o plástico que estava no meu braço?"
Ele- "Hum??? Plástico? Qual Plástico?
Eu (a ficar impaciente) - "O Plástico do meu braçoooooooooooo, onde o colocaste?"
Ele (a achar que estava a ficar maluco) - Mas que plástico?? Não sei de que plástico estás a falar...
Eu (já muito irritada por ele não saber do que eu estava a falar... pensei um bocadinho) - "desculpa estava a sonhar!"

Virei-me para o outro lado e continuei a dormir... no sofá!

Assim vai a vida na casa dos Ferreira.

06/05/2016

FIOS #79

Os Fios COLORFUL STONES são peças que combinam a elegância do fio de aço com banho de ouro com a magia das pedras naturais polidas.

O fio tem 46cms com possibilidade de alargar até aos 51cms.
 
São várias as cores e tamanhos das pedras disponíveis.
 
Ousam?


 
 

 

 
 
 
 

03/05/2016

NOSSA SENHORA PEGOU-ME AO COLO E... LEVOU-ME! #3

O ultimo dia... O mais esperado, o mais desejado, o mais imaginado e sonhado. Aquele que faria com que tudo fizesse sentido.
 
Sempre que imaginava o momento da chegada as lagrimas corriam-me pelo rosto pois sempre senti que seria avassalador. Mas foi mais... muito mais.
 
A manha chegou depois de mais uma noite mal dormida, mais uma noite onde o receio de não conseguir colocar os pés dentro dos ténis era a pior das realidades. As bolhas essas não me deram tréguas e mesmo cosidas e recosidas lá insistiam em encher vezes sem conta, mas o sacrifício que me era imposto era muito pequenino face a outras realidades.
 
27 quilómetros era o que estava à nossa espera, juntamente com a travessia de duas serras, em compensação a promessa de que este seria um caminho bonito de se fazer. Estrada fora lá fomos nós, mais conversas cruzadas, historias e momentos partilhados, mais confissões, mais medos que se vão sussurrando a cada quilometro percorrido. Primeira paragem para um café, segunda paragem nos bombeiros para furar bolhas e renovar energias.
Medo! Pela primeira vez o medo estava a tomar conta de mim... não o medo de não chegar pois isso iria acontecer mesmo que fosse de gatas, mas o medo de atrasar os planos de todos os que tão bem nos acolheram, medo que os abraços dos seus entes queridos fosse adiado por minha causa.
O caminho que até aqui era de asfalto passou a terra batida com pedras e pedrinhas. Mais bonito diziam (e com toda a razão) mas para mim tortuoso. Andei literalmente a saltar de pedrinha em pedrinha, ou mais concretamente a evitá-las, de forma a que os meus pés não se ressentissem. Sempre a subir e a escolher o caminho centímetro a centímetro.
O medo era cada vez mais visível e a minha impaciência também. Rezei. Voltei a rezar, enganava-me voltava a começar. Todos os que tao bem nos receberam não mereciam que eu fosse a causa de um tão grande atraso mas a serra parecia nunca mais terminar.
Uns de nós dominados pelo desespero entraram em modo seta e seguiram mais à frente, perderam-se... que é o mesmo que dizer que seguiram por um caminho mais longo. Quis Deus que esses quilómetros extras me fossem poupados.
A dada altura sentia que me tinha convertido numa criança que mal entra no carro e pergunta de forma ingénua "Falta muito? Estamos quase a chegar?". A ausência de referencias, o facto de não ver nada que conseguisse identificar estava a dar comigo em doida. O caminho era lindo, hoje consigo vê-lo e reconhece-lo, mas o meu egoísmo de chegar (assumo-o) não me deixou usufruir dele na sua plenitude.
A dada altura toda eu era desespero e exaustão, de vir a escolher o caminho de forma criteriosa, os meus músculos começaram a ficar presos e a doer-me (até aqui não tinha dores musculares e se dependesse apenas disso faria os 3 dias de caminhadas sem qualquer problema). Já não tinha forma de me sentir confortável. "Quantos quilómetros faltam?" ousei perguntar, responderam-me 3 kms, e nesse momento sem que nada nem ninguém esperasse comecei a simular um passo de corrida. Um andar estranho que não era corrida, não era caminhada, não era nada mais nada menos do que uma força que me empurrava para a meta.
Eu não podia adiar mais o encontro das pessoas que me acompanhavam com os seus familiares. Eles que estiveram sempre disponíveis para nós, que foram a nossa força quando ela teimava em desaparecer, que nos alimentavam quando viam que o nossos corpo estava com necessidades, que sempre tiveram aquela palavra de incentivo, não podia ser por minha causa que esse momento ia ser atrasado. E corri.  Toquei na placa que diz "Fátima" sozinha. Eu não escolhi que fosse assim apenas o senti e fui. O facto do caminho ser a descer ajudou e muito a esta corrida... olhei para trás e vejo o joao (que pobrezinho estava aflito dos dois pés) correr na minha direcção, com ele a M. e a C. (dois anjos de luz nesta caminhada) e abrandei (é quase irónico dizer que abrandei quando não tinha feito outra coisa que não abrandar o grupo desde que me fizera à estrada). Ao fundo, bem no fundo  da descida a imagem que eu tanto desejara desde o inicio: o crucifixo de aço, a basílica nova e uma parte do nosso grupo, ali ao meu alcance, ao nosso alcance. Todos se uniram a saudar-nos. Memoráveis aquelas palavras, aqueles sorrisos... Ainda conseguia ouvir, ao fundo ,alguém gritar "ela está a correr! Ela esteve a enganar-nos a todos" e risos... recordo os sorrisos.
Aquela chegada, aquele momento, todos os abraços trocados são fragmentos de historia que não quero esquecer. Abracei-me a ele, ao meu mais do que tudo e chorei de forma completamente descompensada. Conseguimos! Juntos, com todas as mazelas, mas plenos. Já não tinha mais para dar. Esgotara todas as minhas energias naqueles 3 quilómetros. Agora era tempo de assistir aos outros abraços, às reuniões familiares bonitas que aquele grupo guardara para aquele momento.

Tenis descalçados (só os voltaria a calçar 5 dias depois) e percorri todo o santuário de meias nos pés mas de coração pleno. Uma oração de grupo e depois ousei fazer um agradecimento mas a emoção não me deixou dizer tudo o que queria (irei fazê-lo no final deste testemunho). Fomos almoçar todos em família. E que bonito foi. Tão bonito! Crianças, adolescentes que na sua impaciência natural da idade estavam ali à nossa espera, irmãos, maridos, pais... a receção perfeita para 3 dias perfeitos (com as suas pequenas imperfeições).

Para terminar a ida à capelinha das aparições. O encontro mais aguardado de todos. O reencontro com a mãe de todas as mães para lhe agradecer. Muitos pensarão que esta minha peregrinação foi para pedir. Enganem-se! O primeiro instinto, o primeiro pensamento que me moveu a enviar uma mensagem à A para me juntar a este grupo, foi o de agradecimento. Foram 3 dias a agradecer da melhor forma que encontrei, sem filtros, sem escolha de palavras, sem julgamentos. Velas acesas, coração a transbordar e fé renovada. Entreguei a Deus e a Nossa Senhora os meus medos, os meus receios e o meu desejo mais profundo...  eu... eu vim com a minha fé renovada e a certeza de que faria esta peregrinação de novo. Sem promessas.

Agora que passaram 7 dias após a nossa chegada a Fátima estas são as palavras que gostaria de deixar ao grupo que nos acolheu:

No livro da Peregrinação que a R. nos ofereceu no momento da partida, na ultima pagina está escrita a definição de peregrino/peregrinação/peregrinar "O peregrino é aquele que, num determinado momento da vida, tempo de procura, de inquietação, de desejo e atração, se põe a caminho em busca de uma nova verdade de si mesmo. A peregrinação envolve a pessoa toda, o passado, o presente e o futuro, a racionalidade, os sentimentos e a busca da beleza. Supõe uma atitude humilde e confiante, de quem volta a acreditar na vida, porque a procura numa nova síntese. É uma atitude desprendida, que supõe austeridade e mesmo penitencia. Peregrinar é aceitar contentar-se, durante um tempo, com o estritamente necessário. O peregrino é atraído por uma força interior e conduzido por uma luz superior. A peregrinação gera harmonia da tranquilidade e da paz (...)". Em vários momentos dos três dias eu revi-me nestas palavras e não porque cheguei lá sozinha. De todo. Se hoje nos sentimos peregrinos é porque vocês nos converteram nisso mesmo Cada quilometro conquistado ao caminho a que nos propusemos foi feito com a vossa ajuda. Vocês foram sempre, de formas e em momentos diferentes, a força que nos faltou, a energia que nos fugia. Não escolhemos nenhum para nos acompanhar neste caminho mas não teríamos feito uma escolha diferente. A mãe de todas as mães colocou-vos no nosso caminho porque eram vocês as pessoas certas para nos fazer superar e por isso somos imensamente gratos. Obrigada por terem ignorado as nossas limitações físicas e as terem convertido em mais uma meta conseguida. Obrigada pelas gargalhadas, pelos sorrisos, pelos terços, pelas orações, pelas partilhas, pelas lagrimas, pelos curativos que permitiram que fosse real a nossa chegada, pelos silêncios partilhados, por nos terem recebido como se fossemos um dos vossos, por aceitarem a nossa ingenuidade e má preparação para o desafio a que nos estávamos a propor. OBRIGADA! Obrigada de coração pelas recordações que tentaremos perpetuar nas nossas memorias. A gratidão que sentimos por todos é incomensurável.

A ti minha (nossa, porque és de tantos que te adoram) A, ORRIGADA. Obrigada por seres o elo que nos uniu a estas pessoas maravilhosas. Obrigada por nos acolheres sempre, desde o primeiro segundo, com um sorriso e um abraço que não tem preço. Por teres um coração maior do que o teu corpo que encontra sempre lugar para acolher mais um e mais um. Por entenderes perfeitamente o que nosso coração carregou ao longo de tantos quilómetros. PERDOA-ME se tornámos este teu caminho mais difícil este ano mas se por algum motivo achei que conseguiria em parte devo-to a ti. Sempre foste um poço de energia e de motivação que me contagia mesmo quando acho que não sou capaz. És um ser de luz que a Nossa Senhora colocou no nosso caminho (Sr. A e descendentes também) que gostaríamos de merecer ter sempre nas nossas vidas.

As ultimas palavras só podiam ser para a minha metade. Para ti que basta eu dizer "gostava de ir" e a quem respondes "vamos" sem hesitar. A ti meu amor que fazes com que tudo seja possível. Que ao longo deste tempo divides as tristezas e multiplicas as alegrias. Que me fazes sorrir quando sabes que choro por dentro. A ti que acreditas em mim mais do que alguma vez eu fiz. A ti devo tudo e por ti faço tudo. OBRIGADA por me aceitares como tua companheira de viagem.

E a ti Senhora... mãe de todas as mães por seres a fonte inesgotável de fé e força, que me recebes e me afagas os medos, que me calas o desespero e me enches de luz, a ti Maria a divida eterna.

 
 

design

design by: We Blog You