13/01/2014

ALWAYS FOR YOU


Eu não sei escrever. Adjectivo muito, não respeito as regras gramaticais, exagero na pontuação, chego mesmo a subverter todas as normas que nos foram ensinadas. Eu sou arquitonta, mais tonta que arquitecta, e com muito gosto. Eu não sei escrever mas sei falar de amor, do meu amor, do amor dele, do nosso amor.

Recuemos, então, ao longínquo ano de 2000 e a uma coisa esquisita denominada por “internet relay chat”. Não sabem o que é? Nem eu sabia! Tinha terminado uma relação muito longa quando um amigo achou que eu precisava de me distrair e rir, rir muito. Ele instalou-me a tal coisa esquisita no computador a que vulgarmente chamávamos de mIRC. E assim foi. O mIRC estranhou-se e depois entranhou-se. Ele trouxe-me risos, irritações, frustrações, conquistas e o João. Um João, apenas mais um João e que se transformaria no João até chegar ao meu João. Foram horas intermináveis de conversas sobre tudo e sobre nada, de músicas, de sítios, de cheiros, de locais, uma foto minha de perfil trocada, uma foto dele de goggles, o meu número de telefone, o numero de telefone dele, encontros que nunca marcámos (não sabemos explicar porquê) e um dia o fim. O afastamento de ambos. O João foi-se embora. Eu fui-me embora. Ambos pertencíamos ao mundo real, aquilo não era para nós. Estava na altura de regressamos aos amigos de carne e osso. E o tempo passou: um dia, uma semana, 1 mês, 1 ano… 3 anos sem existir “nós”. Sem João. Sem Sara.

No dia 29 de Maio de 2003 vou com uma amiga ao último concerto no velhinho estádio de alvalade – 15.000 pessoas (segundo a organização) e o meu telefone vibra. Um SMS a dizer: “acabaste de passar por mim”. Como?!? João?!? Tu, 3 anos depois?!? Nem consigo imaginar a minha cara (ele não só conseguia como a viu, pois estava mesmo atras de mim, e segundo o mesmo disse que o empurrei, eu nego até que me mostrem filmagens do momento). Respondi logo “desculpa mas deves estar a fazer confusão”, e a resposta veio no segundo imediato “camisola preta, calças curtas pretas, sabrinas pretas (duvido que ele tenha escrito sabrinas mas era o que eu calçava no momento) e um blusão de ganga à cintura”. Toda eu tremia, estava histérica e curiosa, debitei 3 anos de conversas à minha amiga e ela (mais histérica do que eu) disse para eu lhe ligar (sim pessoas demorei 3 anos a ligar ao homem da minha vida e???). Desligado. Escusado será dizer que eu já não queria saber de Festival algum. Estava ali, isolada, no meio da multidão, perdida nos meus pensamentos.

Marcámos encontro naquele bar, junto à praia, bem perto do local onde viríamos a morar mais tarde (mas isso nós ainda não sabíamos). Encontrámo-nos e tivemos a confirmação de que já estivéramos apaixonados, mesmo sem nos vermos. Tudo regressou, os anos foram apagados e nós ainda estávamos apaixonados. Namorámos. Terminámos. Voltámos a namorar. Voltámos a terminar. Tentámos mais uma vez. Terminámos mais uma vez… de vez. Não valia a pena insistir. Eu não suportava ser amada assim. Eu não sabia dar valor àquele amor simples e despretensioso. Eu era complicada (ainda sou, menos, mas sou). Não entendia o porquê de me tratares tão bem, o que teria eu feito para merecer tamanha dádiva. Não podia ser tão simples ser feliz e assustei-me. Fugi… e tu já não vieste atrás. Seguiste a tua vida… eu segui a minha vida. Voltaste a amar. Eu (achei que) voltei a amar. Tu desiludiste-te. Eu quase me destruí. Quase me destruíram. Quis desistir de mim… 

Um dia (não interessa qual) interroguei-me: o que estava eu a fazer? Eu já vivera o melhor amor de todos. O amor sem filtros, com gargalhadas fáceis, com sorrisos tontos como só conseguem ser os sorrisos dos apaixonados. Estava na hora de lutar, de te trazer de novo para a minha vida, de te provar que estava finalmente preparada para o nosso amor. Mas tu… estavas com medo (que corajoso foste em voltar a arriscar). Deste luta. Muita luta. Achei que te tinha perdido para sempre. E sempre era tanto tempo que não conseguia nem imaginar o que seria viver sem ti. A vida foi generosa comigo, tu foste generoso comigo e voltaste a entregar-te a mim, a nós.
Hoje, casados, felizes, percebemos que apesar de doloroso este foi o caminho que traçamos para nós. Eu tinha de me perder para te voltar a encontrar. E tu tinhas de me deixar partir para me voltares a ter.
Eu não sei escrever mas sei falar de amor, do meu amor, do amor dele, do nosso amor. 







27 comentários:

  1. amei a vossa historia de amor..não consegui controlar as lagrimas minhas colegas estão a olhar para mim com ar o que se passou???opá tu mereces ser muitoooooooooooo feliz com o teu João que linda historia obrigada por partilhares connosco essa história tão bonita que sejam felizes para sempre
    mil beijos no teu coração bem grande <3 <3 <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ohhh diz às tuas colegas que é amor... esse carinho que tu ofereces a pessoas como eu. Isso tambem é amor. Obrigada Ritinha por estares sempre desse lado <3

      Eliminar
  2. Não te conheço mas ler esta história provocou-me o mesmo que a Garrauzita. Só não tenho colegas.
    Beijinho e continuação de um amor assim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh agora fico eu com a lágrima no olho pelo carinho <3

      Eliminar
  3. A minha história de amor tem algumas semelhanças.
    O aperto na garganta e a lagrimita no olho foram inevitáveis.
    Continuação de um amor assim <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sofia desejo-lhe o dobro do que desejo para nós... e olhe que nao é pouco ;)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Obrigada Isabel... tem tanto de bonita como de sofrida. Nós complicamos muito (eu neste caso). Obrigada pelo carinho <3

      Eliminar
  5. Adorei!!!!!!!!! Merecem ser muito felizes.
    Citando Shakespear - Se você ama alguma coisa ou alguém , deixe que parta. Se voltar é porque é seu , se não é porque jamais seria. E voçês sempre foram um do outro.

    Beijos enormes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Merecemos... vocês, nós, todos os que nao têm medo de arriscar. Obrigada por serem testemunhas deste amor, é bom ter amigos assim <3

      Eliminar
  6. Simplesmente L I N D O!
    Isso, sim. Isso é acreditar naquele amor.
    Tudo de bom.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não foi fácil... e cada vez que terminávamos acreditávamos que seria o fim. Mas no final a vida provou-nos que podemos mudar de opinião e viver felizes com isso <3

      Eliminar
  7. Que lindo...e não sabes escrever...olha se soubesses? Muitas Felicidades!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não sei escrever... mas aprendi a ouvir o meu coração e a dar-lhe voz :)

      Eliminar
  8. Simplesmente...LINDA!!!!
    O meu amor não foi tão atribulado como o teu Sara, mas veio na altura em que eu já não acreditava ser possível....e foi...
    Muitas felicidades, a ti e ao teu João, é o que vos desejo <3
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou tão grata pelas tuas palavras Dália, obrigada. A nossa felicidade é construída diariamente, com altos e baixos, mas convictos de que juntos somos muito melhores. Muitas felicidades tambem para ti <3

      Eliminar
  9. Acredito muito, só, no amor! E em quem faz por ele. Beijo

    ResponderEliminar
  10. Sem palavras. Amei. Atreve-te a parar de escrever que eu apareço aí à tua porta. ;)
    Bjinhos enormes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que perante essa ameaça é muito tentador fazê-lo :) obrigada minha querida é muito bom quando percebemos que afinal não é só aos meus olhos que esta esta historia tem o seu quê de especial

      Eliminar
  11. Que história linda (e bem contada). Veio mesmo a calhar porque eu acho que estou na fase de ser complicada. A ver se "descomplico"
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos a isso... toca a "descomplicar" que isto de amar é muito mais fácil do que nós imaginamos ;)

      Eliminar
  12. Adorei e vi na minha alma a história d amor, o reencontro, o terminar, o começar, a tua destruição.. vi tudo na minha cabeça. Obrigado pela partilha. Devia haver mais pessoas arquitontas como nós! Que não sabem escrever, mas amam escrever..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ámen Margarida :) é tão bom quando percebemos que as nossas pequenas historias são parecidas a tantas outras... hoje tenho o coração tao quentinho com todas as palavras queridas. Eu de facto nao sei escrever mas gosto de conversar :)

      Eliminar
  13. Adorei uma história de amor linda!!! Continue a escrever e nunca desista. Obrigado pela partilha da sua história maravilhosa... Beijos. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada doce Maria. Esta historia tem tanto de bonita como de sofrida... há muita dor que não foi contada e que não será esquecida mas foi porque causa deste amor que a superei, sem duvida. Beijinhos coloridos

      Eliminar

design

design by: We Blog You